quarta-feira, 7 de junho de 2006

Raquel

Raquel


Libavas, borboletas, a flor da vida,
No parque ameno de ideais quimeras.
Que seja amor, não sabes; mas esperas
Vencer cativa, e cativar vencida.

Chega a paixão... Retrais-te espavorida!
Saudades tens das quinze primaveras,
Em que , menina e moça, amada eras,
Sempre isenta, risonha e distraída.

Vence a paixão... E o teu anjo inocente,
Desligado de ti, mesto e dolente,
Regressa para o céu; mas vai chamando-te...

Não foste! És presa à minha desventura!
Em grande amor te dei grande amargura...
Fui teu verdugo, mas verdugo amando-te.


Camilo Castelo Branco




Obrigada, obrigada, obrigada. /me faz vénia. Obrigada...

6 comentários:

sHot disse...

e viva o ego!! xD tá bonito, tá bonito!

Ribossoma disse...

Quem diria
Que um dia
Voltava a ver Raquel
Fiquei parado e pouco lhe falei
Há quanto tempo não te via
Julguei até já ter estancado a hemorragia
Mas ao que vejo o tempo não passou
Como era bom
Contar-te o que eu sentia
Mas vejo que a conversa vai ficar pra outro dia
Por hora só me sai
Raquel

Ornatos Violeta - Raquel

bila disse...

e viva a dor de coto! :P


e viva esta gente que glorifica este meu nome :D eu não tenho culpa! eles é que escrevem... :)

sHot disse...

;)

ZeoX disse...

E você sabia que "Raquel" era apenas o criptónimo que Camilo dava a Ana Plácido, a sua "mulher fatal"? :P

bila disse...

Sabia sim excelso cavalheiro, mas agradeço. Ouviste meh? :D