terça-feira, 19 de julho de 2011

Exames

São exigentes, fazem-nos passar um mau bocado, volta-e-meia fazem-nos sentir ignorantes como não sabíamos ser possível, há ainda aqueles os quais nos sentimos capazes de enfrentar sem medo e aniquilar sem piedade, e quando no-lo espetam à frente, cruz credo, que eu até vim às aulas todas e não estou a ver de onde saiu isto!; há noites em claro, há dias em que nem se olha pela janela, quanto mais ir lá fora sentir o sol; há a pressão e o desgaste. E de repente, chega-nos um caramelo à frente, caramelo esse que, para não laurear a pevide o ano todo, no 2.º semestre se lembrou de ir para uma escolinha lá para o interior do país, que nos diz:

Caramelo: -Sabes uma das perguntas que tinha o meu exame de Português? "Escreva uma palavra que possa ter dois significados consoante a sílaba tónica"
Eu: *queixo caído, tremuras na pálpebra do olho direito e espasmos na perna esquerda* -Isso nem nos testes do teu irmão! [que anda no 8.º ano]
Irmão: -Ah pois não, não!, que isso até eu sabia!
Caramelo: -E olha o que um colega meu respondeu: 'Os indianos são os que vêm da Índia'
Eu: *hipoxia e síncope do coração*
Caramelo: Quando saímos do exame e ele nos disse, ficamos à espera de mais, mas não, foi só aquilo que ele escreveu! Rimo-nos tanto... E o meu exame de Inglês? Eu nem estudei! Uma das perguntas era um quadro, em que numa coluna tinha vários desportos: 'football', 'swimming', etc, e na coluna em frente, tínhamos que escrever a designação do desportista, tipo 'football player', 'swimmer',...
Eu: -Oh não... Estás a gozar!
Caramelo: -Não! E queres saber o melhor? As palavras estavam escritas ao lado! Era só copiar para o sítio certo!
*morri*

E o que mais me preocupa, é que, no fim, os que de lá saírem vão ser tão licenciados quanto eu. E que é mais valorizado o melhor entre os piores do que o pior entre os melhores... Não percebo.

6 comentários:

. Sofia . disse...

É triste isso.
Este ano, quero seguir Criminologia, na FDUP. E há uma rapariga, conhecida da minha região, que está a fazer esse curso no ISMAI.
Eu sei que vou ter que me matar a estudar para ter notas razoáveis e ela anda a tirar 18 a copiar e a fazer testes com mais 6 pessoas.
Ainda não estou lá e isso já me irrita. Nem quero pensar quando começar a estudar.

Pusinko disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pusinko disse...

Isso há sempre e em todo lado. O problema é que nos últimos anos é uma dose contínua de atestados de parvoice.
Esta frase está (a meu ver) correcta. Logo merece pontuacao. Mesmo que nao tenha nada a ver com a questao. Isso também nao interessa. O menino escreveu uma frase correcta em termos gramaticais e com sentido. Viva!
Bom estalajadeiro, trazei do melhor vinho da casa! Alvíssaras! O país nao está perdido. Está só um bocadinho. Venham mais uns copo para esquecer isso.

Acho que o raciocínio é mais ou menos este. E cá vamos cantando e rindo. e tomando pastilhas para a parvoice... eu sei, já vou.

who's yo' mama?! disse...

. Sofia ., vale-nos o consolo do conhecimento adquirido. Mas que, grande parte das vezes, sabe pouco, também é verdade.
Um Professor lá da Faculdade disse uma vez: "é preferível um aluno sair daqui com média de 10 do que sair com média de 16 duma privada." Só é pena que muito empregadores não pensem assim, e não vejam que de facto há 10 e 11's que valem muito mais do que esses 18's que falas.

Pusinko, até nos exames nacionais do 9.º ano! Começam o facilitismo desde putos e depois, claro, não se lhes pode pedir muito quando chegam ao ensino superior. Uma vergonha...
E eu acho que sim! Se calhar muitos achariam que os índios é que vêm da Índia, por isso ele deve até estar num nível muito elevado! É valorizar o rapaz!

Ana FVP disse...

Como é que querem que alguma coisa mude com esse facilitismo todo?!

who's yo' mama?! disse...

Ana FVP: mesmo! Só interessam as estatísticas. É triste, muito triste...